sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Terremotos podem ocorrer também no Brasil?



Cresci ouvindo que o Brasil era um país privilegiado geograficamente, pois não tinha terremotos nem vulcões. Apesar de saber que o Brasil já foi palco de vários pequenos tremores, sendo que o mais recente ocorreu na última segunda-feira, dia 11, em João Câmara-RN(leia mais aqui)fiquei surpresa ao acessar a reportagem que você vai ler a seguir. Ela fala justamente sobre a possibilidade de um terremoto de grandes proporções ocorrer também em terras brasileiras.

Na verdade, fiquei surpresa e assustada com esta notícia divulgada pela BBC Brasil. Principalmente porque todos sabemos que nossos edífícios não foram e nem são construídos para suportar sismos. Aliás, poucos países em todo o mundo, entre eles o Japão e os Estados Unidos, adotam esse tipo de tecnologia em suas construções, já que neles a ocorrrência de terremotos é iminente.

Como os fenômenos naturais são imprevisíveis, na maioria das vezes, vale a pena conferir a reportagem, pois ela serve de alerta:



Tremor de graves consequências no Brasil não pode ser descartado, diz especialista

Maria Luisa Cavalcanti
Da BBC Brasil em Londres

A hipótese de um terremoto de consequências graves no Brasil é muito rara mas não pode ser descartada, segundo George Sand França, chefe do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Obsis- UnB).

Em entrevista à BBC Brasil, George França enumera uma série de fatores que poderiam influenciar no resultado de um tremor em território brasileiro, como o aumento da densidade populacional, a falta de estruturas resistentes a abalos e comparações com catástrofes ocorridas em locais com características geológicas semelhantes.

Um dos exemplos citados pelo especialista é a série de terremotos que atingiu a cidade de New Madrid, hoje no Estado americano do Missouri, entre 1811 e 1812. Os tremores chegaram a ser sentidos em Nova York e Boston, a milhares de quilômetros de distância.

"Esses abalos atingiram até 8,2 graus na escala Richter em uma área que fica no meio da placa norte-americana e não nos seus limites, onde é mais comum ocorrerem terremotos fortes", disse França. "Deveria servir de alerta para o Brasil porque o país também está no meio de uma placa, a sul-americana, cujos limites estão no meio do Oceano Atlântico, a leste, e na costa dos países do Pacífico, a oeste."

Mais pessoas

Desde o início das primeiras medições instrumentais, no início da década de 50, o tremor mais forte já registrado no Brasil atingiu 6,2 graus e ocorreu em 1955 em Porto dos Gaúchos (MT).

“Hoje, a concentração demográfica da região é muito maior, então dá para se imaginar o que pode acontecer se houver um terremoto igual novamente”, afirmou França. “E vai haver outro. Não sei quando - posso até nem estar mais vivo - mas vai haver.”

Segundo o especialista, a qualidade das construções também precisa ser revista para se reduzir a possibilidade de uma catástrofe.

“É preciso lembrar que no Brasil um terremoto entre 4,0 e 5,0 graus tem um impacto muito forte, já que não temos a estrutura do Japão e dos Estados Unidos para fazermos construções mais resistentes a abalos, e porque falta uma boa fiscalização das construções”, afirmou o especialista.

Em 2007, um tremor de 4,9 graus atingiu as cidades de Caraíbas e Itacarambi (MG), destruindo várias casas e matando uma menina de 5 anos. Foi a primeira vez que um tremor deixou uma vítima fatal no país.

“Essa morte ocorreu porque a casa onde a menina morava não estava preparada para o sismo”, explicou França.

Investimentos

Já para o britânico Julian Bommer, professor de avaliação de risco de terremotos do Imperial College, de Londres, a frequência e a intensidade dos tremores no Brasil não justificam um investimento em estruturas específicas para resistir a abalos.

“É melhor gastar com a proteção a incidentes mais comuns e urgentes no país, como a violência e as inundações”, afirmou ele à BBC Brasil. “Apenas para estruturas mais críticas, como barragens e usinas nucleares, deveria se investir em construções anti-sísmicas.”

Bommer, no entanto, endossa a ideia de que, apesar de ser uma possibilidade muito pequena, o Brasil pode estar sujeito a um terremoto de consequências graves.

“É preciso lembrarmos que os tremores ocorrem em intervalos que podem ser de séculos, e que nos 500 anos do Brasil ainda não se experimentou um abalo muito forte”, explicou.

3 comentários:

Jorge Luiz disse...

Sou físico e estudo esse fenômeno de forma independente desde 2003 e confesso estar surpreso com esse artigo sobre terremotos. Infelizmente nosso país não é estruturado para suportar terremotos de grande intensidade na escala Richter mas também acredito que estamos "seguros" de terremotos de magnitude acima de 7.0 (grande terremotos). Ainda somos privilegiados em relação a esse aspecto geográfico de nosso país.

Jorge Luiz disse...

Sou físico e estudo esse fenômeno de forma independente desde 2003 e confesso estar surpreso com esse artigo sobre terremotos. Infelizmente nosso país não é estruturado para suportar terremotos de grande intensidade na escala Richter mas também acredito que estamos "seguros" de terremotos de magnitude acima de 7.0 (grande terremotos). Ainda somos privilegiados em relação a esse aspecto geográfico de nosso país.

blogdadeborahrajao disse...

Assim espero, Jorge, pois as consequências de um terremoto realmente não são nada fáceis de serem enfrentadas,não é mesmo?

Agradeço a visita ao blog e seu comentário.
Um grande abraço