domingo, 22 de março de 2009

Dia Mundial da Água, dia de reflexão!


Sem ela não sobrevive nenhum ser vivo. Mesmo assim, ela é maltratada e por isso mesmo está cada vez mais escassa. Enquanto uns a esbanjam, outros a têm com enorme dificuldade e contam suas gotas para matar a sede. As previsões que a cercam são dramáticas para o futuro da humanidade que terá que aprender cada vez mais a conviver com a escassez desse líquido divino.

Hoje, dia 22 de março, é a data escolhida pela Organização das Nações Unidas para celebrar o Dia Mundial da Água. Mais do que uma comemoração, este é um momento para reflexão e conscientização da população do planeta a respeito dos problemas relativos à escassez deste elemento indispensável à vida.

Cerca de dois terços do corpo humano são constituídos de água, assim como a superfície terrestre, que tem dois terços de sua composição líquida. A água é o elemento que melhor simboliza a essência humana. No entanto, embora a Terra seja conhecida como o "planeta azul", a água disponível para consumo não é tão abundante como muitos imaginam e por isso não preservam.

Aproximadamente 97% da água do planeta é salgada. Pouco mais de 2% é doce, mas não está disponível à população, pois encontra-se na forma sólida, em geleiras, calotas polares e neves eternas. Sobra menos de 1% - na verdade, cerca de 0,3% apenas de água potável para o uso, em rios, lagos e reservatórios subterrâneos.

Além disso, menos de 1% dessa água doce disponível provém de fontes consideradas renováveis. A situação é grave no mundo inteiro (especialmente no Oriente Médio, que conta com pouquíssimos recursos), mas podemos dizer que o Brasil é privilegiado. O país conta com cerca de 12% da concentração mundial de água doce e, segundo a Unesco/ONU, possui o maior volume de água doce renovável, com mais 6.220 bilhões de metros cúbicos a serem aproveitados.

Embaixo do solo brasileiro encontra-se 97% da água potável subterrânea em estado líquido do planeta. O Brasil é uma das grandes reservas hídricas do mundo, mas a maior parte da água potável está no Norte e no Nordeste, enquanto a população se concentra nas regiões Sul e Sudeste do país. A demanda é desproporcional.

Por isso todos nós temos que nos conscientizar sobre a importância de evitar o uso inadequado e desrespeitoso da água.

Para reduzir o desperdício, aqui segue uma série de dicas referentes a pequenas atitudes a a serem adotadas no dia-a-dia por todos nós:

-Procure tomar banhos mais curtos, uma vez que o chuveiro responde por 46% do consumo de água dentro de uma casa.

-Faça a limpeza dos utensílios de cozinha sem deixar a torneira aberta o tempo todo. Primeiro use uma bucha com sabão para limpar a louça e depois enxágüe tudo de uma vez, usando o mínimo de água possível, pois as torneiras e misturadores respondem por 14% do consumo domiciliar.

-Outra dica importante é escovar os dentes com a torneira fechada. Você sabia que dá para escovar bem os dentes usando apenas 1 copo de água?


-Também a descarga da privada deve estar sempre regulada para não gastar mais que o necessário.

-Evite também jogar papel higiênico usado no vaso sanitário, pois eles ajudam a poluir ainda mais os nossos rios.

-Outra coisa a ser evitada é jogar óleo de cozinha usado na pia. Depois de usado, coloque o óleo em garrafas pet e se possível doe para ser reciclado. Você sabia que o óleo de cozinha pode ser usado para fazer sabão?

-Não lave calçadas com mangueira e use apenas baldes de água para lavar seu veículo.

Essas são algumas das pequenas coisas que todos nós podemos fazer dentro de casa para ajudar a minimizar a escassez de água no mundo .

Dados da ONU apontam que mais de 4 bilhões de pessoas vão ter problemas com falta de água em 2050.

Diante desse prognóstico desolador, devemos pensar que cada gota de água, economizada hoje por nós, pode significar a garantia de um copo de água para nossos netos, bisnetos, tetranetos....daqui a 40 anos ou menos ainda.

Portanto, façamos a nossa parte!

Um comentário:

Luis Bento disse...

o problema da água é dos mais prementes da humanidade. Aliás, Ignacio Ramonet no seu livro Guerras do século XXI defende que a próxima guerra mundial será motivada não pelo petróleo, mas sim pela água...