segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

Até a próxima segunda-feira.

Uma das coisas mais gratificantes na profissão de radialista é a resposta que temos do nosso trabalho. Ouvintes que ligam e agradecem pelo abraço que mandamos para ele no ar, por uma prestação de serviço ou mesmo por uma simples informação.

Nessa semana que passou, conversei com uma ouvinte ao telefone e ela me emocionou ao dizer que não havia estudado e que tudo que ela sabia e havia aprendido na vida, devia-se aos programas que ela acompanhava todos os dias, durante o dia todo, na Rádio Inconfidência AM880.

Fiquei realmente tocada pelas palavras da dona Antônia, ouvinte do bairro Alípio de Melo, que fica na região noroeste de Belo Horizonte, pela simplicidade e pela forma sincera e carinhosa com que ela me agradecia pelo trabalho que eu realizava. E eu disse a ela, que eu é que tinha que agradecê-la pela audiência, pois o ouvinte é a razão do nosso trabalho. Realmente, chega a ser impressionante o carinho que recebemos dessas pessoas que nunca vimos, que não temos a menor idéia de como são, o que fazem, como vivem e o que sonham.

Por outro lado, essas pessoas também nunca nos viram e entretanto, nos admiram e gostam da gente como se fôssemos íntimos, um membro da família e fizéssemos parte da vida delas. E na verdade, nós somos apenas uma voz que rapidamente se perde no espaço.

Recentemente, recebi de presente de uma outra ouvinte, a Luisa, do bairro Fernão Dias, em BH, uma toalha de banquete toda em richelieu e uma rosa vermelha com o cabinho cuidadosamente envolvido em papel alumínio. O presente veio acompanhado ainda de uma cartinha na qual ela me agradecia pelo meu jeito de tratar os ouvintes e citava a seguinte frase de Mahatma Gandhi: “As criaturas que habitam esta terra em que vivemos, sejam elas seres humanos ou animais, estão aqui para contribuir, cada uma, com sua maneira peculiar para a beleza e prosperidade do Mundo”. E ela completou: “Assim é você, Deborah, com seu programa Revista da Tarde.”

São manifestações desse tipo que nos fazem refletir sobre a importância e responsabilidade do trabalho que realizamos e nos impulsiona para, cada vez mais, querer fazê-lo ainda melhor. Como já dizia Saint-Exupéry, em o Pequeno Príncipe: “ Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas".

Esse carinho que os ouvintes nos dedicam, sem pedir nada em troca, de forma pura e despretensiosa, também nos ajuda a refletir sobre o nosso papel neste mundo, se estamos ou não no caminho certo e se estamos realmente ajudando a construir um mundo melhor e mais justo para todos.

A partir de hoje estarei de férias no meu trabalho. Serão apenas cinco dias que ficarei fora do ar. Uma pequena pausa para recarregar as energias. Neste tempo, irei me recolher em um lugarejo que fica no alto de uma das inúmeras serras aqui de nossas Gerais.

Por conta dessa pausa para descanso, serei obrigada a ficar longe também deste blog e só voltarei a atualizá-lo na próxima segunda-feira. É que neste lugarejo para onde vou, não tem internet.

E quero lhe confessar uma coisa: vou sentir saudades tanto do meu programa no rádio, como deste blog, no qual já me acostumei a escrever todos os dias. Chega a ser impressionante o sentimento que me une a este espaço virtual. A cada dia cresce o carinho que sinto por este blog. Cuido dele como se fosse de um filho.

Sei que sentirei saudades também de você, leitor, assim como sinto dos meus ouvintes do Revista da Tarde. Mas espero reencontrá-los na próxima segunda-feira, já com as baterias recarregadas e com muitas novidades para contar. Um beijo a todos e até lá.

2 comentários:

simone rajão disse...

dinha,
to adorando seu blog! é a sua cara: cheio de beleza e sensibilidade! te amo! sua mana simone

Cathwillows disse...

Oi Dinha!

Tô toda roxa! kkkkkkkkkk
Mas não foi culpa de ninguém, apenas da bebida! MInha amiga caiu e acabou me levando junto! hahahah

E aproveitem lá na Serra por mim!!!

Bjs!!!!!!!!1